Por que não?

Por que nãoTenho dois filhos. Luiza com 16 anos e David de 6. Somos uma família em que a base do nosso relacionamento é a conversa. Nós conversamos muito e conversamos sobre tudo. Quando estamos juntos fazemos perguntas, contamos histórias, falamos sobre o dia a dia. Nossa família gosta muito de falar e todos têm seus momentos, até mesmo o Davizinho, de 6 anos. Acredite, ele ama conversar!

Uma das coisas que o relacionamento entre nossa família produziu em nós foi a confiança que temos uns nos outros. Prezamos por sempre falar a verdade, mesmo que ela seja difícil. E, estamos aprendendo, dia após dia, a melhorar na arte de falar a verdade em amor. É realmente uma arte falar a verdade. Precisamos escolher sempre a verdade que traz cura e não a verdade que traz destruição. Continuar lendo “Por que não?”

Chuva, dor de cabeça e trânsito

ImagemEsses dias acordei com dor de cabeça. Procurei o “Cefalium”, um dos poucos remédios que realmente tiram minha dor de cabeça, mas não achei. E, fiquei com aquela dorzinha chata me incomodando a manhã toda. Meus olhos nem se abriam direito, pareciam dois faróis de milha… como se deixar os olhos entreabertos fizesse a dor diminuir. Continuar lendo “Chuva, dor de cabeça e trânsito”

DOSE DE HOJE – Descansar?

Ontem o dia foi de “descanso”. Mas, é claro, em casa onde tem crianças, ninguém descansa de verdade.

Às 6:55 o Paulo acordou apavorado: – Amor, são 6:55. Você não tem que acordar a Luiza? – Puxa! Não sei como aconteceu, mas o despertador não tocou e a carona da Luiza sempre passa às 7 em ponto. Afe, correria na certa! Coloquei os óculos de grau (7,5 de miopia, sabia?), e corri para o quarto da Luiza. Ao contrário de todos os dias em que ela chuta a coberta e reclama que passou frio, hoje, ela estava parecendo dentro de um casulo, envolta nas cobertas de tanto frio, tadinha. Então, dei uma chachoalhada no ombro dela para acordá-la: – Lulu, daqui a 5 minutos sua carona vai chegar, dá uma corridinha aí, filha! – ela já levantou num pulo. Enquanto ela se aprontava como um foguete, eu fui aprontar seu leite com toddy e bisnaguinhas com margarina, que ela adora! Comeu engolindo. Deu 7 em ponto. Cadê a carona? – Mãe, fica olhando porque o carro do vô da Maria Luiza não faz barulho. – e fiquei à espreita. 7:05… 7:08… 7:10 o carro chegou, ufa! Conseguimos! Não precisava ter corrido tanto mas tudo bem! Luiza foi para escola. Tranquei a porta de casa.

7:11 Davizinho começou a “chiar”. Então, esquentei um leitinho para ele e levei até o seu quarto. Ele mamou dormindo, debaixo das cobertas. Lindinho! Então, já aproveitei para trocar a fralda por uma limpinha e envolvê-lo na cobertinha.

Voltando para meu quarto, fiquei feliz em lembrar que era segunda e que eu poderia descansar mais, depois de um fim de semana tão corrido. Olhei no relógio, eram 7:30. Hoje eu posso dormir até as 10:00hs!

Às 8:00 ouço um “tum tum tum” sem parar… infelizmente, os pedreiros da construção ao lado são bem pontuais.