Por que não?

Por que nãoTenho dois filhos. Luiza com 16 anos e David de 6. Somos uma família em que a base do nosso relacionamento é a conversa. Nós conversamos muito e conversamos sobre tudo. Quando estamos juntos fazemos perguntas, contamos histórias, falamos sobre o dia a dia. Nossa família gosta muito de falar e todos têm seus momentos, até mesmo o Davizinho, de 6 anos. Acredite, ele ama conversar!

Uma das coisas que o relacionamento entre nossa família produziu em nós foi a confiança que temos uns nos outros. Prezamos por sempre falar a verdade, mesmo que ela seja difícil. E, estamos aprendendo, dia após dia, a melhorar na arte de falar a verdade em amor. É realmente uma arte falar a verdade. Precisamos escolher sempre a verdade que traz cura e não a verdade que traz destruição. Continuar lendo “Por que não?”

Anúncios

DOSE DE HOJE – Descansar?

Ontem o dia foi de “descanso”. Mas, é claro, em casa onde tem crianças, ninguém descansa de verdade.

Às 6:55 o Paulo acordou apavorado: – Amor, são 6:55. Você não tem que acordar a Luiza? – Puxa! Não sei como aconteceu, mas o despertador não tocou e a carona da Luiza sempre passa às 7 em ponto. Afe, correria na certa! Coloquei os óculos de grau (7,5 de miopia, sabia?), e corri para o quarto da Luiza. Ao contrário de todos os dias em que ela chuta a coberta e reclama que passou frio, hoje, ela estava parecendo dentro de um casulo, envolta nas cobertas de tanto frio, tadinha. Então, dei uma chachoalhada no ombro dela para acordá-la: – Lulu, daqui a 5 minutos sua carona vai chegar, dá uma corridinha aí, filha! – ela já levantou num pulo. Enquanto ela se aprontava como um foguete, eu fui aprontar seu leite com toddy e bisnaguinhas com margarina, que ela adora! Comeu engolindo. Deu 7 em ponto. Cadê a carona? – Mãe, fica olhando porque o carro do vô da Maria Luiza não faz barulho. – e fiquei à espreita. 7:05… 7:08… 7:10 o carro chegou, ufa! Conseguimos! Não precisava ter corrido tanto mas tudo bem! Luiza foi para escola. Tranquei a porta de casa.

7:11 Davizinho começou a “chiar”. Então, esquentei um leitinho para ele e levei até o seu quarto. Ele mamou dormindo, debaixo das cobertas. Lindinho! Então, já aproveitei para trocar a fralda por uma limpinha e envolvê-lo na cobertinha.

Voltando para meu quarto, fiquei feliz em lembrar que era segunda e que eu poderia descansar mais, depois de um fim de semana tão corrido. Olhei no relógio, eram 7:30. Hoje eu posso dormir até as 10:00hs!

Às 8:00 ouço um “tum tum tum” sem parar… infelizmente, os pedreiros da construção ao lado são bem pontuais.

DOSE DE HOJE – Que pasta podre!

Ontem, antes de dormir, no escuro do quarto, me lembrei que ainda não tinha colocado a fralda noturna no Davizinho. Levantei, sem pestanejar, e fui trocar a fraldinha pela fralda noturna. Essas noturnas são realmente boas. Elas seguram o xixi a noite inteira e mantém o bebê sequinho. Continuar lendo “DOSE DE HOJE – Que pasta podre!”

Nem precisa agradecer

O David vai fazer 10 meses essa semana. Ele já ri pra gente quando falamos com ele.

Depois de uma noite mal dormida com direito a pesadelos, e tudo mais… de manhã, logo cedo, quebrada, peguei o David no colo e ele deu aquele sorriso lindo!

Eu fiquei pensando comigo mesma:

– Que isso, filho? Nem precisa agradecer!

Somos pais imperfeitos

Você se lembra a primeira vez que percebeu que seus pais não eram tão perfeitos quanto você achava que eram?
E agora que você é pai, pode imaginar seu filho tendo essa sensação sobre você?De que você não tem todas as respostas e de que você não é um super-herói? Difícil, não é mesmo?

Sabendo disso, agora que somos pais, como prepará-los para essa descoberta, que poderá afetar o nosso relacionamento com eles para sempre? Continuar lendo “Somos pais imperfeitos”

QUANDO MINHA BOLSA ESTOUROU

Brevemente, um resumo do que aconteceu no dia do nascimento do David…

Dia 14 de Janeiro acordei as 7 da manhã com a minha bolsa estourando. Eu estava dormindo tão profundo que levei um susto com toda aquela água. Acordei num suspiro alto dizendo:

– Amor, amor… minha bolsa estourou. Continuar lendo “QUANDO MINHA BOLSA ESTOUROU”