Palavras são sementes. Semeie!

semearFiquei tanto tempo sem escrever no blog que nem sei por onde começar. Muitas pessoas me escrevem dizendo que quando lêem as histórias do blog se identificam, outras dizem que se divertem com a forma como escrevo, fazendo tudo soar engraçado. Puxa! Obrigada! Isso é um incentivo para eu voltar a escrever mais. Sei que uma das coisas que eu jamais poderia parar de fazer é parar de escrever porque, enquanto escrevo, muitas coisas que ficam guardadas em mim por anos, acabam saindo através dos meus dedos… e me sinto como se estivesse fazendo uma limpeza interior… rsrsrs. Sabe, eu não gosto de fazer promessas mas se eu pudesse fazer uma, seria nunca deixar de escrever por tanto tempo.

Desde pequena eu nunca fui muito de falar. E aos seis anos de idade, descobri que minha primeira forma de expressão foi a música. Eu dedilhava no piano, tentando descobrir o que as notas poderiam produzir se combinadas na seqüência certa. Logo depois, quando comecei a escrever, descobri que as palavras escritas são a minha segunda forma de expressão. Eu não sei se minha forma de escrever é adequada ou se o português está 100% correto mas, quando começo a escrever, meu subconsciente parece liberar endorfina, me sinto como se estivesse fazendo academia (ah, se fosse a mesma coisa!)  minha mente parece se libertar dos medos e vejo isso como uma oportunidade do meu consciente aprender um pouco mais sobre minha percepção do mundo.

Escrever pode ser uma forma de informar, historiar, ensinar ou apontar para o futuro, de relatar um momento ou simplesmente, no meu caso, uma forma de auto-cura através das palavras. Eu escrevo sobre a vida real, sobre o que acontece no meu dia-a-dia, sobre algo que vi ou li, sobre alguém ou sobre algo que aprendi. Eu escrevo no meu devocional, escrevo cartas para Deus, escrevo em post-its, escrevo em etiquetas, eu escrevo em todos os lugares! Mas, na fase em que estou, independente de saber se as pessoas vão ler o que eu escrevi e gostar, eu escrevo mais por uma necessidade.

Aprendi que as palavras são como sementes. Palavras escritas ou faladas. Para produzirem bons frutos é preciso escolher bem as palavras lançadas ao vento porque, uma vez lançadas, elas não voltam mais. Então, se palavras são sementes que podem gerar frutos bons, por que guardar essas sementes? Por que não lançá-las e deixar Deus fazer frutificar?

Meu desejo para você que está lendo o blog agora é que você se sinta incentivado e encorajado a usar as palavras que Deus tem colocado no seu coração também, porque é isso que Deus está pedindo de mim hoje. As palavras escolhidas com cuidado podem trazer esperança, paz, alegria, contentamento, ensino, bênçãos… Que as palavras que saírem da sua boca hoje sejam como boas sementes. Que elas caiam em terra fértil e produzam muitos frutos!

Semeie através das palavras. O que você semear é o que vai colher. Vamos colher juntos!

“Aquilo que o homem semear, isso também ceifará” – Gl. 6:7b

Anúncios